Home Área de clientes
weekly

Notícias & Novidades

Weekly Note

BCE anuncia reforço da política expansionista

A estrutura do Euro e a consolidação das dívidas

Nesta semana, em resposta ao abrandamento económico da zona euro e à manutenção de níveis de inflação persistentemente baixos, e apesar da oposição de alguns dos seus governadores, o BCE veio anunciar um reforço da sua política monetária expansionista. A taxa de juro da facilidade permanente de depósito foi reduzida em dez pontos base para -0,5%. O Presidente do BCE, Mario Draghi, afirmou que as taxas de juro deverão permanecer nos níveis atuais, ou mesmo inferiores, até que o cenário de inflação se aproxime dos 2% de forma consistente. Adicionalmente, foi anunciado um novo programa de compra líquida de ativos no valor de 20 mil milhões de euros por mês, com início a 1 de novembro. O BCE decidiu igualmente anunciar a criação de um novo sistema de reservas que ajudará os bancos a mitigar o impacto das taxas de juro negativas sobre a sua rentabilidade. Neste contexto, importa não só questionar as razões do insucesso do programa de QE, mas também levantar o véu sobre os problemas que a falta de consolidação das dívidas dos Estados Membros causa à estrutura do próprio Euro.

Desde a introdução do Euro, a taxa de crescimento do PIB da Zona Euro tem registado máximos cada vez mais baixos
Fonte: FMI

É entendimento da Sixty Degrees que o projeto de criação do Euro apresenta falhas intencionais ou resultantes da falta de compreensão dos seus promotores relativamente ao funcionamento do sistema monetário global, o que impede a moeda da zona euro de ser uma alternativa séria à moeda norte-americana. A conceção da união monetária na zona euro não seguiu de todo o modelo americano desenhado por Alexander Hamilton, que em 1790, enquanto primeiro Secretário de Estado do Tesouro dos EUA, propôs a criação de uma dívida federal através da consolidação, a preços de mercado, das dívidas de vários Estados decorrentes do esforço resultante da Guerra da Revolução Americana de 1776. Neste processo, os credores trocaram a dívida estadual acumulada, avaliada a preços de mercado, por nova dívida federal assumida pelo governo federal então criado.

Nos EUA, apenas a divida federal tem estatuto de reserva, ou seja, só com este tipo de dívida é possível criar moeda, no sentido em que os bancos a podem usar como colateral junto da Reserva Federal para obter empréstimos. Todas as restantes dívidas, em especial as dos diferentes Estados da união, não gozam desse estatuto e como tal não criam moeda. O sistema permite assim um maior controle da oferta de moeda, em cada momento, ao mesmo tempo que impede que o incumprimento de qualquer Estado coloque em cheque a dívida federal e, como tal, o sistema como um todo. Neste sentido, o incumprimento de um Estado pode ser equiparado ao de uma “empresa” no sentido em que não põe em causa o funcionamento do restante mercado.

Na Europa, o mecanismo de criação do Euro não contemplou a consolidação das dívidas dos diferentes Estados Membros numa dívida federal única. As dívidas destes países mantiveram por isso o seu estatuto de reserva, no sentido em que todas podem ser usadas pelos bancos como garantia para obtenção de empréstimos junto do BCE. Assim sendo, todos os Estados têm o poder de criar moeda, na figura da sua própria dívida, tornando muito difícil o controle da oferta de moeda da União, em cada momento, com consequências sérias ao nível da estabilidade económica.

Ao contrário dos EUA, o hipotético incumprimento de um Estado, que unilateralmente podia resultar numa saída do Euro, poderia contagiar e colocar em risco toda a União através da pressão sobre as taxas de juro soberanas dos restantes Estados, precipitando o desmoronar de todo o sistema. Esta situação é tanto mais relevante quando o próprio BCE detém cerca de um terço desse mercado. De certa forma, no sistema europeu atual as antigas apreciações e depreciações cambiais parecem ter sido substituídas pelas subidas e descidas das taxas de juro exigidas para financiar cada país. Nesse sentido, é como se as obrigações dos Estados funcionassem como substituto das antigas moedas desvirtuando todo o objetivo da existência de uma moeda e taxa de juro únicas.

Desde 2008, o Euro tem registado uma tendência de depreciação face ao Dólar.
Fonte: Bloomberg

Outro aspeto que merece realce é o facto da união monetária americana permitir preservar a soberania de cada Estado. Já o sistema do Euro exige que Bruxelas, assente num enorme aparelho burocrático, exerça uma interferência profunda na política dos Estados Membros, com a imposição de programas de austeridade, usurpando a sua soberania. Esta atuação tem criado crescentes disputas e ressentimentos entre os vários países. Tendo como exemplo o modelo americano, não parece razoável que a soberania dos Estados tenha de ser sacrificada devido à política monetária federal.

Neste contexto, a Sixty Degrees considera que algures no futuro as instâncias europeias terão de ajustar o modelo da união, corrigindo os seus defeitos de conceção, apesar de reconhecermos que existirá forte resistência alemã à aceitação da consolidação da dívida por receios de terem de ser os avalistas das futuras crises da zona euro. Tendo em conta que o processo de ajustamento pode ser algo penoso, reitera-se a preferência pelo investimento de médio prazo em ativos norte americanos com exposição cambial.

Ainda não subscreveu a nossa Weekly Note? Subscreva aqui.

Weekly notes weekly

Weekly Note

Reserva Federal americana anuncia medidas adicionais Algumas medidas repõem o…

Ler artigo
Weekly notes weekly

Weekly Note

Pandemia Covid-19 Sixty Degrees analisa evolução recente da propagação da…

Ler artigo
Weekly notes weekly

Weekly Note

Distribuição da riqueza (e carga fiscal) Diferentes perspetivas para o…

Ler artigo
Weekly notes weekly

Weekly Note

Covid-19 e Pandemic Bonds Breve análise da situação Em junho…

Ler artigo
Weekly notes weekly

Weekly Note

Investimento com selo Environmental, Social and Governance (ESG) Sixty Degrees…

Ler artigo
Weekly notes weekly

Weekly Note

5G – quinta geração móvel Sixty Degrees analisa impactos desta…

Ler artigo
Imprensa

Sixty Degrees com participação no programa Mercados em Ação

Nuno Sousa Pereira, Head of Investments da Sixty Degrees, em…

Ler artigo
Weekly notes weekly

Weekly Note

Coronavírus e Mercados Emergentes Epidemia torna outlook mais desafiante Na…

Ler artigo