Home Área de clientes
weekly

Notícias & Novidades

Weekly Note

Fed anuncia corte na taxa de juro de referência

1927 Déjà vu?

Esta semana, a Reserva Federal norte americana (Fed) anunciou um corte de 25 pontos base na sua taxa de juro de referência, para uma banda de 1,75%-2%. Trata-se da segunda descida de taxas de juro levada a cabo este ano pelo banco central americano, invertendo assim o rumo de subidas que teve lugar nos últimos anos. O Presidente da Fed, Jerome Powell, aproveitou a ocasião para reafirmar que o desempenho da economia americana é sólido, apesar de persistirem riscos ao nível geopolítico e da conjuntura internacional.

Tendo em conta os sinais de solidez da economia americana, importa questionar quais as motivações para a inversão do rumo da política monetária da Fed, no sentido da descida das taxas diretoras. Segundo dados do FMI, a economia americana deverá registar um crescimento médio de 2,0% nos próximos três anos, num sinal de robustez, sobretudo quando comparado com os 1,2% e 0,7% projetados para a Alemanha e Japão, respetivamente. Por outro lado, o setor financeiro americano encontra-se bem capitalizado e os indicadores de consumo privado e lucros das empresas também não sugerem abrandamento. O mercado de trabalho nos EUA atravessa um bom momento, com a taxa de desemprego próxima de mínimos históricos. Segundo o FMI, em 2019, a taxa de desemprego americana deverá situar-se nos 3,8%, nível que se deverá manter até 2021. Assim sendo, parece claro que a redução de taxas de juro por parte da Fed não surge como resposta a quaisquer problemas na sua economia doméstica, mas que terá motivações externas.

Nos EUA, o número de pessoas dispostas a abandonar o seu trabalho está em máximos dos últimos 18 anos, demonstrando a sua confiança na capacidade de obter um novo emprego.
Fonte: Federal Reserve Bank of St. Louis, STATISTA

De facto, a Fed tem vindo a ser pressionada por diversos governos (incluindo o seu) e entidades supranacionais (FMI, Banco Mundial) para que reduza as suas taxas de juro diretoras, com intenção de inverter os fluxos de capitais internacionais que estão a direcionar-se cada vez mais para os EUA, em fuga das regiões economicamente mais fracas, como a Europa e o Japão. A maior fraqueza económica europeia, aliada à incerteza em redor do sistema do Euro, tem favorecido o influxo de capitais para os EUA, vistos cada vez mais como um porto seguro para o capital. Neste contexto, a Fed parece querer atuar como o banco central do mundo reforçando o papel de moeda de referência do dólar americano.

É nosso entendimento que a atual situação tem um paralelo na intervenção dos bancos centrais de 1927. Na altura, os quatro principais bancos centrais – EUA, Reino Unido, França e Alemanha – reuniram-se em Washington DC para pressionar a Fed a cortar as suas taxas de juro. A intenção era tentar inverter os fluxos de capitais que estavam a dirigir-se para os EUA, na esperança de redirecioná-los novamente para a Europa e assim suportar as moedas do Velho Continente. À semelhança do contexto atual, a Europa atravessava uma crise de dívida, em grande parte decorrente dos custos da 1ª Guerra Mundial. Tal como agora, apesar da economia doméstica americana não justificar o relaxar da política monetária, a Fed cedeu e obrigou todas suas sucursais regionais a fixar em baixa (de 4% para 3,5%) as suas taxas de juro diretoras. Contrariamente ao pretendido, a descida de taxas de juro falhou completamente o seu propósito, uma vez que os investidores a entenderam como uma confirmação de que a Europa atravessava graves problemas. Como tal, assistiu-se à intensificação dos fluxos de capitais para os EUA. O refúgio do capital nos EUA foi de tal forma intenso que veio a provocar uma bolha no imobiliário na Florida, bem como uma forte subida do mercado acionista, que acabou por levar a Fed a subir as taxas de juro de 3,5% em 1927 para 6,0% em 1929. (St Louis Federal Reserve Bulletin, September 1927 – December 1929).

Apesar da descida de taxas de juro levada a cabo pela Fed em 1927, os fluxos de capitais para os EUA intensificaram-se, provocando uma forte subida no mercado acionista.
Fonte: Bloomberg

Tomando como exemplo o episódio histórico dos anos 20 e tendo em conta o visível arrefecimento das principais economias mundiais, com exceção dos EUA, consideramos que a Fed poderá estar a cometer o mesmo erro de 1927 e com isso levar à intensificação dos fluxos de capitais para os EUA, favorecendo os ativos privados não dívida com especial enfoque no mercado acionista. Neste contexto, a Sixty Degrees mantém a sua visão favorável ao investimento em ações americanas e dólares.

Ainda não subscreveu a nossa Weekly Note? Subscreva aqui.

Weekly notes weekly

Weekly Note

Surto de Coronavírus Análise de potenciais impactos Nas últimas semanas…

Ler artigo
Weekly notes weekly

Weekly Note

What about now? Situação atual e perspetivas para a economia…

Ler artigo
Weekly notes weekly

Weekly Note

Economia da Zona Euro Crescimento anémico em 2020 Aquando da…

Ler artigo
Imprensa

Virgílio Garcia CEO da Sixty Degrees em entrevista ao Dinheiro Vivo / Lusa

Sociedade de ex-quadros do BPI quer gerir 100 milhões de…

Ler artigo
Weekly notes weekly

Weekly Note

EUA e China assinam 1ª fase de acordo comercial Sixty…

Ler artigo
Imprensa

Sixty Degrees no Guia do Investidor do Jornal Económico

A pedido do Jornal Económico a Sixty Degrees pronunciou-se sobre…

Ler artigo
Weekly notes weekly

Weekly Note

Escalar nas tensões EUA-Irão Sixty Degrees considera pouco provável cenário…

Ler artigo
Weekly notes weekly

Weekly Note

Cenário base para 2020 Otimista, mas com um olho nos…

Ler artigo