Home Área de clientes
Acreditamos que os melhores investimentos assentam em relações duradouras entre as partes

Notícias & Novidades

Weekly Note

What about now?

Situação atual e perspetivas para a economia britânica

Na semana passada, mais precisamente no dia 31 de janeiro às 23h00 (hora de Londres e de Lisboa), o Reino Unido (RU) saiu oficialmente da União Europeia (UE), deixando de ser Estado-membro e passando a ser considerado país terceiro. No dia 1 de fevereiro, iniciou-se o período de transição estabelecido no âmbito do acordo de saída que vigorará até 31 de dezembro de 2020, podendo ser prolongado por mais dois anos. Durante o período de transição, as partes deverão negociar os termos das suas relações comerciais futuras. O RU permanecerá no mercado único da UE durante o período de transição. No dia 25 deste mês, o Conselho dos Assuntos Gerais em Bruxelas deverá aprovar a estratégia de negociação dos 27, definindo as suas diretrizes sobre as relações com o RU.

As negociações entre RU e UE deverão ser difíceis e prolongadas. Em termos formais, o RU tem até ao dia 1 de julho para pedir uma prorrogação do período de transição por mais 1 ou 2 anos, porém, por forma a evitar qualquer cenário de rutura, acredita-se que Bruxelas poderá aceder fazê-lo até ao limite em dezembro. No entanto, no seguimento da vitória nas eleições de 12 de dezembro, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson descartou a possibilidade de vir a pedir qualquer adiamento do período de transição. Apesar disso, consideramos provável que o processo de negociações venha a ser faseado no tempo. Até ao final deste ano poderá ser alcançada uma primeira fase do acordo que defina os termos do comércio de bens, ficando adiado o entendimento ao nível dos serviços e outras questões mais complexas para uma fase posterior a dezembro de 2020. De recordar que a UE demorou sete anos a negociar um acordo comercial com o Canadá, o que pode ser uma antevisão para a demora na conclusão do processo com o RU.

Fonte: Eurostat, European Commission, gov.uk

Nesta fase será útil analisar as perspetivas para a economia britânica, que parecem mais positivas do que a generalidade das estimativas.

Em 2019, a economia do RU deverá ter registado um crescimento de 1,2% (FMI). O índice PMI compósito para o RU – que mede a evolução da atividade da indústria e dos serviços – atingiu 52,4 no mês de janeiro versus 49,3 em dezembro, acima dos 50,7 esperados. A subida registada no mês de janeiro corresponde à quinta maior variação positiva deste índice desde a sua compilação em 1998. O valor verificado sugere expansão económica moderada no primeiro trimestre, o que compara com um recuo estimado para o quarto trimestre de 2019. As eleições em dezembro passado, que atribuíram a vitória com maioria absoluta ao Partido Conservador, parecem ter marcado um ponto de viragem na economia britânica, com a redução da incerteza a surtir um impacto positivo nas decisões dos consumidores e das empresas já no início deste ano. A confiança dos empresários atingiu o seu máximo desde junho de 2015 e assistiu-se a uma notável recuperação nas projeções para o crescimento da produção nos próximos doze meses. Os dados avançados sugerem que o crescimento económico possa acelerar mais já na primeira metade do presente ano.

O índice PMI compósito para o Reino Unido sugere crescimento económico moderado.
Fonte: IHS Markit, CIPS, Office for National Statistics

O crescimento do PIB deverá também ser beneficiado pela expansão da política fiscal. Em setembro foi anunciado um aumento da despesa pública de bens e serviços equivalente a 0,6% do PIB para o exercício orçamental de 2020-2021. Para além disso, prevê-se um aumento do investimento em obras públicas, o qual deverá ser apresentado aquando da divulgação do Orçamento de Estado, no dia 11 de março. As previsões apontam para que esse estímulo adicional possa corresponder a 0,4-0,6% do PIB.

O investimento terá crescido cerca de 0,7% em 2019, mas poderá acelerar fortemente nos próximos dois anos, sobretudo em 2021 já numa fase muito avançada das negociações com a UE, reduzindo largamente a incerteza das empresas.

Indicadores Económicos Reino Unido (% yoy)
Fonte: Capital Economics, Refinitiv
% year average,*% of GDP

O resultado das eleições de dezembro também parece ter acelerado a recuperação do mercado residencial, que já vinha a ser suportado pelas baixas taxas de juro do crédito à habitação. Em novembro, os preços das casas subiram 1% em base trimestral, o que compara com 0,8% em outubro e corresponde à taxa de crescimento mais elevada desde fevereiro de 2018. O número de créditos à habitação aprovados pelos dos principais bancos do RU foi de 46,8 mil, em dezembro, o que compara com 44,1 mil, em novembro, e corresponde a um máximo desde agosto de 2015. Os dados revelados pelo RICS Residential Market Survey, indicador de expectativas para o mercado residencial, revelam que as eleições tiveram um impacto positivo no sentimento e nas perspetivas para a subida dos preços das casas nos próximos doze meses. O nível atual deste indicador sugere uma subida de 7% nos preços das casas em 2020, o que a confirmar-se será o maior aumento desde 2006. A valorização das casas terá um impacto potencialmente positivo no consumo das famílias.

Em 2019 o mercado de trabalho permaneceu robusto. Os últimos dados revelam que o emprego aumentou 0,6% nos três meses até novembro versus os três meses anteriores, o que corresponde à taxa de crescimento mais alta do último ano. A variação positiva de 208 mil trabalhadores, até novembro, inclui um acréscimo de 149 mil empregos a tempo inteiro e cria a expectativa de que o nível emprego continue a subir de forma sustentada nos próximos meses. De facto, o número de vagas de emprego caiu apenas 1,7%, em dezembro, o recuo mais fraco desde o passado mês de julho. Os dados atuais de vagas de emprego sugerem que o número de trabalhadores deverá crescer a uma taxa trimestral de 0,6%, na primeira metade de 2020. A confirmar-se o prolongamento do crescimento no emprego, é natural que a evolução positiva do consumo das famílias se torne mais sustentável.

Em 2019, o mercado de trabalho apresentou robustez.
Fonte: Pantheon Macroeconomics

Na passada quinta feira, o Banco de Inglaterra manteve a taxa de juro diretora em 0,75% e o programa de estímulos inalterado. A manutenção da taxa de juro foi aprovada pelo Comité de Política Monetária por uma maioria de sete votos contra dois. Certamente que a subida do índice PMI compósito em janeiro, a par da divulgação de vários indicadores positivamente afetados pelas eleições tiveram influência na decisão de política monetária. De salientar que o valor atual do PMI (52,4) situa-se a meio do intervalo entre 51,0 – nível ao qual o Comité de Política Monetária tem decidido baixar taxas de juro- e 54,0 – nível que levou à subida das mesmas, em 2017/18.

Em suma, consideramos que apesar de continuar a existir alguma incerteza relativa às negociações do Brexit, o resultado das eleições de dezembro foi um marco importante para uma maior estabilidade futura. O seu impacto positivo é visível nos indicadores económicos mais avançados. A nossa opinião é de que a economia britânica tem condições para registar um desempenho positivo podendo surpreender as expectativas. Assim sendo, consideramos que o RU poderá ser um outperformer na região europeia.

Em suma, a análise mais detalhada das tendências dos vários indicadores económicos da Zona Euro reforça a nossa convicção de fraqueza económica para a região e a necessidade de monitorizar de muito perto a futura atuação do BCE. Face ao exposto, nesta fase, mantemos a nossa preferência pelo investimento em ações americanas e dólar em detrimento da Zona Euro.

Ainda não subscreveu a nossa Weekly Note? Subscreva aqui.

Weekly notes

Weekly Note

O que falhou na preparação e resposta à pandemia? Principais…

Ler artigo
Imprensa

Catarina Quaresma Ferreira num artigo de opinião da revista Distribuição Hoje

"A edição deste mês da Revista Distribuição Hoje destaca o…

Ler artigo
Imprensa

Nuno Sousa Pereira foi o convidado da edição “Mercados em Ação” do Jornal Económico

"Nuno Sousa Pereira, CFA, Head of Investments da Sixty Degrees…

Ler artigo
Weekly notes

Weekly Note

Desaceleração na recuperação da Zona Euro? Breve análise dos indicadores…

Ler artigo
Imprensa

José Veiga Sarmento assume a presidência do Conselho Fiscal da Sixty Degrees

"Setembro está a trazer novidades nas equipas das gestoras nacionais.…

Ler artigo
Weekly notes

Weekly Note

Desemprego nos EUA continua a diminuir Breve análise de alguns…

Ler artigo
Imprensa

Pandemia será desafio maior que 11 de Setembro para bolsas mundiais

"Em declarações à Vida Económica a equipa da Sixty Degrees…

Ler artigo
Imprensa

Recuperação económica pode só ocorrer no início de 2022

"A tão esperada recuperação económica mundial pode não acontecer antes…

Ler artigo