Home Área de clientes
Acreditamos que os melhores investimentos assentam em relações duradouras entre as partes

Notícias & Novidades

Weekly Note

Coronavírus e Mercados Emergentes

Epidemia torna outlook mais desafiante

Na nossa weekly, de janeiro passado, intitulada “Cenário base para 2020”, antevíamos uma recuperação apenas moderada para a generalidade das economias emergentes. Na altura, revelámos ser nosso entendimento que estes países pudessem vir a beneficiar com a maior acalmia na guerra comercial EUA-China e com alguns cortes adicionais de taxas de juro por parte dos seus Bancos Centrais. Porém, alertámos também para o risco de um prolongamento da instabilidade social nalgumas dessas geografias, a par de potenciais prejuízos provenientes de uma eventual apreciação do dólar, tendo em conta a exposição a dívida emitida na moeda dos EUA. Na presente nota, pretendemos atualizar a nossa perspetiva para estes mercados à luz dos recentes acontecimentos com epicentro na China.

Em primeiro lugar, é já evidente que o surgimento da epidemia Covid-19 veio tornar mais desafiante o outlook do corrente ano nestes mercados. Desde o dia 20 de janeiro, data em que a Comissão Nacional de Saúde da China confirmou que o novo vírus era transmissível entre humanos, que as ações dos mercados emergentes tem registado uma underperformance face aos índices acionistas das economias avançadas, mesmo tendo em conta a recuperação dos últimos dias. Entre as geografias mais afetadas estão aquelas com maiores ligações económicas à China e os países produtores de commodities.

As ações dos mercados emergentes tem tido um comportamento negativo.
Fonte: Bloomberg

Na mesma linha, no último mês, as moedas dos mercados emergentes depreciaram-se face ao dólar norte americano. Tal como se pode observar no gráfico abaixo, as depreciações mais significativas foram provenientes de países exportadores de commodities (Rússia, Brasil e África do Sul) e de economias mais próximas da China (Tailândia e Coreia). O preço do petróleo (Brent), que tinha atingido 69 dólares/barril, no início do ano, caiu para 56 dólares/barril em resultado dos receios quanto à possível queda da procura chinesa, função da menor utilização dos transportes nesta região do globo. No caso da Rússia, Brasil e Tailândia importa referir que os seus bancos centrais procederam a cortes de taxas de juro, no início do ano, o que poderá ter ajudado à situação de fraqueza das suas moedas face ao dólar.

A generalidade das moedas dos mercados emergentes depreciaram face ao dólar.
Fonte: Bloomberg

Tal como se pode observar no gráfico abaixo, tomando em consideração uma amostra de 30 países, verifica-se que, desde o início de 2019, a maioria dos bancos centrais emergentes têm procedido a cortes de taxas de juro. Já este ano e em resposta ao surto de Coronavírus, assistimos a cortes de taxas de juro por parte do Banco Central da China, bem como Sri Lanka, Malásia, Filipinas e Tailândia. Em específico, o Banco Central chinês decidiu baixar em 10 pontos base as taxas de juro dos repos a 7 e 14 dias, podendo voltar a fazê-lo nos próximos meses.

Desde o início de 2019, a maioria dos bancos centrais dos países emergentes tem procedido a cortes de taxas de juro.
Fonte: Refinitiv, Bloomberg, CE

O ciclo de expansão monetária nos mercados emergentes poderá prolongar-se durante os próximos meses, reforçado pelas notícias de aparente agravamento na propagação do Coronavírus. No entanto, é natural que esta expansão possa reduzir-se lá para o final deste ano, altura em que a recuperação económica já será mais visível e surta alguns efeitos em termos de pressões inflacionistas. Convém ressalvar aqui que, derivado dos efeitos do covid-19 sobre a oferta de bens alimentares, o nível de inflação na China atingiu o valor mais elevado dos últimos 8 anos.

Historicamente, o final de um ciclo de política monetária acomodatícia, nos mercados emergentes, coincide normalmente com o início de um movimento de subida das yields soberanas. Para já, as yields da dívida dos mercados emergentes tem continuado a cair, com especial destaque para a dívida denominada em dólares que beneficiou da descida recente das yields norte-americanas. Acrescente-se que os spreads de crédito da dívida soberana e corporativa emergente se encontram próximo dos mínimos históricos, tal como é ilustrado no gráfico abaixo. Neste sentido, é expetável que, a médio prazo, voltemos a assistir ao agravamento das condições de financiamento destas economias.

Os spreads de crédito da dívida emergente soberana e corporativa estão próximo dos mínimos históricos, à exeção do continente africano.
Fonte: Refinitiv, Bloomberg, CE

É nosso entendimento que, mesmo que o Covid-19 fique rapidamente sob controle, subsiste o risco de ainda maior depreciação das moedas emergentes face ao dólar, no presente ano, em resultado de anteciparmos uma recuperação económica gradual e moderada para estas economias por contraponto à manutenção de robustez na economia norte-americana. Como já referido anteriormente, a depreciação cambial das moedas emergentes exigirá das suas economias um maior esforço financeiro para servir e reembolsar a dívida numa moeda (dólar) que não podem imprimir. Relativamente aos resultados das empresas, é nossa expetativa que o seu crescimento, maioritariamente ligado às exportações, não deverá ser tão robusto quanto o esperado pelo consenso de mercado.

Em suma, mantemos a nossa visão relativamente conservadora para os mercados emergentes, em 2020, opinião reforçada pelos efeitos do surto de covid-19 sobre estas economias e pelos desafios acrescidos que, a médio prazo, o término do ciclo de política monetária expansionista deverão trazer. Reiteramos, por isso, a preferência pelo mercado e moeda norte americanos independentemente da volatilidade de curto prazo.

Ainda não subscreveu a nossa Weekly Note? Subscreva aqui.

Imprensa

Catarina Quaresma Ferreira num artigo de opinião da revista Distribuição Hoje

"A edição deste mês da Revista Distribuição Hoje destaca o…

Ler artigo
Imprensa

Nuno Sousa Pereira foi o convidado da edição “Mercados em Ação” do Jornal Económico

"Nuno Sousa Pereira, CFA, Head of Investments da Sixty Degrees…

Ler artigo
Weekly notes

Weekly Note

Desaceleração na recuperação da Zona Euro? Breve análise dos indicadores…

Ler artigo
Imprensa

José Veiga Sarmento assume a presidência do Conselho Fiscal da Sixty Degrees

"Setembro está a trazer novidades nas equipas das gestoras nacionais.…

Ler artigo
Weekly notes

Weekly Note

Desemprego nos EUA continua a diminuir Breve análise de alguns…

Ler artigo
Imprensa

Pandemia será desafio maior que 11 de Setembro para bolsas mundiais

"Em declarações à Vida Económica a equipa da Sixty Degrees…

Ler artigo
Imprensa

Recuperação económica pode só ocorrer no início de 2022

"A tão esperada recuperação económica mundial pode não acontecer antes…

Ler artigo
Weekly notes

Weekly Note

Economia britânica afunda no segundo trimestre Breve análise aos indicadores…

Ler artigo