Home Área de clientes
Acreditamos que os melhores investimentos assentam em relações duradouras entre as partes

Notícias & Novidades

Weekly Note

Economia japonesa

Breve análise dos indicadores económicos mais recentes

Aceda à Weekly Note em formato pdf

No segundo trimestre do ano, o PIB do Japão caiu 7,8%, face ao trimestre anterior, e 27,8%, em termos anuais, devido à pandemia Covid-19. A queda trimestral foi superior à registada no primeiro trimestre de 2009, no auge da crise financeira global, e representa a maior contração desde 1955. Na presente weekly note, pretendemos fazer um breve ponto de situação da economia japonesa, analisando os indicadores económicos mais recentes.

Em agosto, as vendas a retalho cresceram 4,6% em termos mensais, após uma correção de 3,4%, em julho, superando a estimativa de 2,0% adiantada pelo consensus de mercado. Desde o final do estado de emergência, em maio, tem-se verificado uma recuperação da despesa das famílias, que havia sido reprimida durante o confinamento. Apesar do país ter sido atingido por uma segunda vaga de Covid-19, com especial impacto durante o mês de agosto, o governo lançou o programa Go To Travel, destinado a apoiar financeiramente os japoneses que viajassem dentro do país, o que aparentemente terá permitido a continuação da recuperação do consumo das famílias. Daqui para a frente, o momentum dos últimos meses poderá ser difícil de sustentar até porque os volumes de vendas a retalho já terão regressado aos níveis pré-Covid, em agosto.

As vendas a retalho têm vindo a recuperar desde maio (Japan Retail Sales MoM em %)
Fonte: TradingEconomics.com

Os dados de confiança do consumidor também não deixam antever uma recuperação sustentada do consumo. Tal como se pode observar no gráfico abaixo, o índice de confiança do consumidor situou-se em 32,7 pontos, em setembro, claramente abaixo dos valores pré-pandemia e correspondendo a um nível de sentimento historicamente deprimido. Da análise das componentes deste indicador, destaca-se a lenta recuperação das expectativas das famílias relativamente ao mercado laboral, deixando transparecer o seu receio quanto à contínua deterioração da criação de emprego.

O indicador de confiança do consumidor permanece em níveis baixos
Fonte: Bloomberg

O indicador de labour cash earnings, que mede o rendimento do trabalho incluindo bónus e horas extra registou uma queda anual mais branda em agosto, de -1,3% versus -1,5%, em julho, mas ainda assim aquém do consensus de -1,2%. No entanto, a melhoria mensal deveu-se simplesmente ao facto da maioria dos bónus ser paga nos meses de junho e julho e, como tal, a sua queda, em 2020, ter afetado menos o número de agosto. Em agosto, o indicador de evolução de salários registou um recuo, pela primeira vez este ano, de -0,1%, versus crescimento de 0,2%, em julho. Após a correção dos efeitos de base, a diminuição terá sido de -0,2%, em agosto. Ambos os indicadores são desencorajadores em termos de outlook para o consumo privado.

Em agosto, a taxa de desemprego subiu para 3,0% versus 2,9%, em julho, em linha com o consensus. O número de desempregados aumentou cerca de 90 mil, correspondendo à maior subida desde maio e deixando transparecer os efeitos da segunda vaga de Covid-19 sobre a economia japonesa. De qualquer forma, a subida de apenas 0,8pp. na taxa de desemprego, desde o início do ano, parece fornecer uma falsa sensação de segurança sobre o mercado laboral. Tal como se pode observar no gráfico abaixo, o número de trabalhadores temporários está longe de recuperar face à redução de cerca de 1 milhão, em abril. Por outro lado, o número de desempregados deverá aumentar quando o governo terminar o programa de layoffs.

O número de trabalhadores temporários não registou recuperação após a reabertura da economia
Fonte: Pantheon
A taxa de desemprego poderá aumentar quando o governo terminar o programa de layoffs
Fonte: Bloomberg

O rácio job-to-applicant, que mede a oferta de empregos existente face ao número de pessoas à procura de emprego, caiu para 1,04, em agosto, versus 1,08 ,em julho, abaixo do consensus de 1,05. O número de pessoas à procura de emprego aumentou 71 mil, em agosto, e se a tendência se mantiver irá superar o número de vagas já antes do final do ano, situação que não se verificava desde 2013. Este desequilíbrio deverá pressionar em baixa a evolução dos salários, comprometendo a recuperação do consumo das famílias.

Em agosto, as encomendas de maquinaria aumentaram 0,2% em termos mensais, versus 6,3% em julho, acima do consensus de -1,0%. Aparentemente, estes dados deveriam ser um bom sinal para a evolução futura do investimento, mas são necessárias algumas reservas. Corrigidas do efeito sazonal, as encomendas de maquinaria terão recuado 2,0% após uma subida de 5,5%, em julho, o que já é menos encorajador para a evolução do capex futuro.

Os dados relativos à evolução do crédito também não parecem promissores para a célere recuperação dos níveis de capex. Nos 3 meses até agosto, os empréstimos para investimentos fixos aumentaram 3,5%, ajustados sazonalmente, o que compara com um crescimento de 5,1%, nos 3 meses até junho. A aceleração inicial no crédito às empresas esteve mais relacionada com as medidas especiais de combate à crise lançadas pelo Banco do Japão com vista a garantir a sobrevivência das empresas.

O aumento do crédito às empresas foi destinado às suas necessidades de sobrevivência no curto prazo
Fonte: Pantheon

Em agosto, a produção industrial aumentou 1,7% em termos mensais, versus 8,7% em julho, acima do consensus de 1,4%. Os dados parecem refletir uma diferença clara entre investimento e consumo, com este último a beneficiar mais diretamente das medidas de apoio do governo. Assim sendo, a produção de bens de capital diminuiu pela primeira vez em 3 meses, cerca de 4,5% enquanto o output de bens de consumo aumentou 2,1%. Apesar da produção industrial já ter recuperado 13% em termos acumulados desde o mínimo de maio, o nível de output permanece ainda a 90% da média do primeiro trimestre do ano, antes da declaração do estado de emergência.

Em agosto, o índice da indústria terciária aumentou 0,8% em termos mensais, versus 0,1%, em julho, aquém do consensus de 1,5%. A recuperação continuou, mas foi abalada pela segunda vaga de Covid, que obrigou à reposição de medidas de distanciamento social nalgumas cidades entre meados de julho e agosto. Já em setembro, o indicador PMI Serviços aumentou para 46,9 versus 45,0, em agosto, podendo indiciar uma retoma mais forte, após o controle do mais recente surto. De qualquer forma, tal como se pode observar no gráfico abaixo, uma recuperação total permanece fora do horizonte, já que o índice da indústria terciária se situa muito abaixo da sua tendência pré pandemia.

O “índice da indústria terciária” situa-se muito abaixo da tendência pré pandemia
Fonte: TradingEconomics.com

O indicador Producer Price Index caiu para -0,8%, em setembro, versus -0,6%, em agosto, abaixo do consensus de -0,5%, refletindo um agravamento da deflação. A queda dos preços dos produtos agrícolas agravou-se para -2,0% versus -0,3%, no mês anterior, devido a efeitos de base desfavoráveis. Por outro lado, a componente de utilities registou um acentuar da deflação pelo terceiro mês consecutivo, caindo 4,6%. Esta tendência deverá prolongar-se pelo menos até novembro já que o seu lag face à descida do preço do petróleo é de cerca de 6 meses.   Em geral, não é esperada uma inversão na deflação pelo menos até meados do próximo ano, com o abrandamento no mercado laboral a contribuir para a sua persistência.

A deflação acentuou-se no mês de setembro
Fonte: Bloomberg

Em suma, apesar da forte recuperação da despesa das famílias desde o fim do estado de emergência, existem alguns riscos para o futuro nomeadamente os que poderão advir de uma potencial deterioração dos níveis de emprego. Por seu lado, as empresas também deverão continuar relutantes em investir, dada a ausência de visibilidade quanto ao término da atual situação de pandemia. O adiar da abertura das fronteiras continua a dificultar a retoma da atividade económica. Espera-se uma recuperação trimestral do PIB, no terceiro trimestre do ano, mas tudo indica que a sua ordem de grandeza não deverá ser suficiente para contrabalançar o recuo de 7,9%, observado no segundo trimestre de 2020.

Na Sixty Degrees continuamos a monitorizar de perto a evolução da situação económica e política japonesa, não apenas no sentido de identificar oportunidades de investimento que, para já, teimam em escassear, como para perceber eventuais paralelismos com o desenvolvimento de outras economias que seguiram os mesmos passos, nomeadamente ao nível da política monetária.

Ainda não subscreveu a nossa Weekly Note? Subscreva aqui.

Imprensa

Sixty Degrees na revista Forbes.

A revista Forbes destaca o comentário da Sixty Degrees numa…

Ler artigo
Weekly notes

Weekly Note

"Central Bank Digital Currencies" O caso do E-Renminbi Aceda à…

Ler artigo
Weekly notes

Weekly Note

China assina "maior acordo comercial do mundo" Indicadores económicos recentes…

Ler artigo
Imprensa

O Dinheiro Vivo faz uma análise ao mercado de trabalho nos EUA, tendo por base uma nota produzida pela Sixty Degrees

"Emprego nos EUA tem crescido, mas ainda está 10 milhões…

Ler artigo
Imprensa

Sixty Degrees contribui para análise do Jornal Económico sobre o impacto das notícias de uma vacina anti-coronavírus nas bolsas mundiais

"Vacinas anti-coronavírus impulsionam bolsas? Analistas não descuram efeitos da vitória…

Ler artigo
Weekly notes

Weekly Note

Indicadores económicos na Alemanha e em França Evolução recente Aceda…

Ler artigo
Imprensa

Sixty Degrees em destaque num artigo do Observador sobre moedas digitais

"Vem aí o euro digital. O vírus vai matar as…

Ler artigo
Weekly notes

Weekly Note

Mercado de trabalho nos EUA Análise aos dados publicados recentemente…

Ler artigo