Home Área de clientes
Acreditamos que os melhores investimentos assentam em relações duradouras entre as partes

Notícias & Novidades

Weekly Note

Mercado de trabalho nos EUA

Análise aos dados publicados recentemente

Aceda à Weekly Note em formato pdf

Na passada semana, foram publicados os dados mais recentes sobre a evolução do nível de emprego na economia americana. No relatório de emprego, publicado a 6/11 pelo Bureau of labor Statistics (BLS), foi anunciada uma subida de 638 mil novos empregos, acima dos esperados 580 mil, tendo o mês anterior sido revisto em alta de 15 mil postos de trabalho. Este número acima do esperado, já reflete a redução de 268 mil postos de trabalho no setor público, mais especificamente a perda de 147 mil empregos temporários criados durante o Census em curso.  No entanto, aquilo que, numa situação normal, seria considerado um excelente relatório de emprego, não permitiu manter o ritmo de recuperação, iniciado em julho, dos estragos causados pelo “confinamento da primavera”.

O setor privado criou cerca de 906 mil postos de trabalho, ligeiramente acima dos 892 mil de setembro e muito superior aos números que o relatório ADP, publicado a 4/11, faziam prever. O ADP National Employment Report anunciou a criação de 365 mil empregos, em outubro, abaixo dos 643 mil esperados pelo consensus de mercado. O gap entre os dois relatórios voltou a alargar-se, após ter sido reduzido substancialmente nos dois meses anteriores.

O gap entre os dois relatórios de emprego voltou a agravar-se
Fonte: BLS e ADP

A criação de emprego no setor privado foi muito forte no setor dos serviços (+783 mil), com ganhos de 271 mil nas áreas de lazer e hospitalidade, que continuaram as suas reaberturas, de 104 mil no retalho e de 109 mil nos prestadores de serviços temporários. Já os setores da construção e da manufatura continuam a dar bons sinais de recuperação, adicionando mais de 120 mil novos lugares. Apesar disso, o número de empregos na economia americana ainda está 10,1 milhões abaixo do período pré-covid. A manutenção deste nível de desemprego no tempo causará o disparar do desemprego de longo prazo, incrementando a dificuldade destas pessoas para voltar ao mercado de trabalho uma vez que os empregadores ainda preferem contratar indivíduos já empregados por sentirem que os seus conhecimentos, ritmo e hábitos de trabalho poderão ser mais eficientes.

A tendência pré-covid dificilmente será recuperada no curto prazo
Fonte: BLS

Por seu lado, a taxa de desemprego caiu para 6,9% em resultado do aumento significativo do número de empregados (+2,2 milhões), reduzindo o número de desempregados em 1,5 milhões e voltando a integrar mais de 540 mil pessoas na força de trabalho. No entanto, o BLS apontou algumas falhas na classificação das respostas obtidas, para o seu inquérito de outubro, que poderão resultar numa correção em alta da taxa de desemprego em 0,3 pontos percentuais.

De registar também, a subida de 0,1% no salário médio hora que reflete a criação desporporcionada de empregos de baixo salário, durante o mês de outubro. Esta não é uma situação alheia à pandemia covid-19 enquanto evento que induz a redução dos níveis salariais em resultado da maior procura de trabalho.

Relativamente aos novos pedidos de seguro de desemprego, os dados divulgados na última semana, apesar de mais estáveis, continuam a surpreender pela negativa ao superarem os 750 mil pedidos , ligeiramente acima dos 735 mil previstos pelo consensus. Este patamar de pedidos continua acima do valor máximo registado durante a crise de 2008, cerca de 665 mil. Ao mesmo tempo, os continuing claims continuam a sua trajetória descendente, já incorporando os beneficiários que estenderam o período desta ajuda através do programa Pandemic Emergency Unemployment Compensation.

Os novos pedidos de seguro de desemprego mantêm a tendência decrescente
Fonte: Bloomberg

Ao nível da produtividade, os dados do 3º trimestre registaram uma subida anualizada de 4,9% (ainda assim abaixo dos 5,6% do consensus). Este acréscimo na produtividade capitaliza sobre a forte subida do trimestre anterior, mas por razões diferentes. Se no 2º trimestre a produtividade aumentou pelo facto do nível de despedimentos ter sido realizado a uma velocidade inferior à da destruição do output, já no 3º trimestre, a variação positiva foi resultado da melhoria substancial do nível de atividade económica acima da criação de novos empregos. É expectável que este nível de acréscimo de produtividade não seja sustentável, uma vez que está a crescer ao dobro do ritmo registado pré-covid. O nível de crescimento dos custos unitários do trabalho (+2,5% yoy) parecem ser uma aproximação mais razoável à evolução futura deste indicador.

Os custos unitários do trabalho aparentam ser um melhor proxy para medir a evolução da produtividade do trabalho
Fonte: Bloomberg

A expetativa, para novembro, é de redução na criação de postos de trabalho, no setor privado, em resultado da intensificação da pandemia de covid-19 e os seus efeitos sobre o setor dos serviços. O corte nas interações pessoais, resultante da rápida deterioração no número de infeções e hospitalizações, continua a prejudicar severamente as atividades relacionadas com o lazer e a hospitalidade, algo que não deverá melhorar no curto prazo. Recorde-se que o nível esperado de infeções por covid-19, no final deste mês (aprox. 200 mil), é praticamente o dobro do registado no final dos primeiros 8 meses de contágio. As indústrias hoteleira, de viagens e da restauração apresentam já fortes sinais de desaceleração, situação que tenderá a agravar-se à medida que forem implementadas novas restrições à sua atividade por parte dos governos estaduais e locais, uma vez que o governo federal não tem poderes para impor restrições a nível nacional. São esperadas restrições sobre bares, restautantes e discotecas, bem como para os agrupamentos de pessoas fora dos grupos familiares e, no limite, confinamentos totais.

Caso a tendência recente de quebra no indicador Homebase Small Business Employment se mantenha intacta, é razoável esperar uma redução, em novembro, no número de empregos à volta dos 500 mil. Neste sentido, é de esperar que haja um entendimento entre democratas e republicanos, até ao final de 2020, e que seja aprovado um novo pacote de estímulos que não deverá, no entanto, atingir os 2,4 biliões de dólares desejados e deixará a porta aberta para novas iniciativas em 2021.

Ainda não subscreveu a nossa Weekly Note? Subscreva aqui.

Imprensa

Sixty Degrees na revista Forbes.

A revista Forbes destaca o comentário da Sixty Degrees numa…

Ler artigo
Weekly notes

Weekly Note

"Central Bank Digital Currencies" O caso do E-Renminbi Aceda à…

Ler artigo
Weekly notes

Weekly Note

China assina "maior acordo comercial do mundo" Indicadores económicos recentes…

Ler artigo
Imprensa

O Dinheiro Vivo faz uma análise ao mercado de trabalho nos EUA, tendo por base uma nota produzida pela Sixty Degrees

"Emprego nos EUA tem crescido, mas ainda está 10 milhões…

Ler artigo
Imprensa

Sixty Degrees contribui para análise do Jornal Económico sobre o impacto das notícias de uma vacina anti-coronavírus nas bolsas mundiais

"Vacinas anti-coronavírus impulsionam bolsas? Analistas não descuram efeitos da vitória…

Ler artigo
Weekly notes

Weekly Note

Indicadores económicos na Alemanha e em França Evolução recente Aceda…

Ler artigo
Imprensa

Sixty Degrees em destaque num artigo do Observador sobre moedas digitais

"Vem aí o euro digital. O vírus vai matar as…

Ler artigo
Weekly notes

Weekly Note

Mercado de trabalho nos EUA Análise aos dados publicados recentemente…

Ler artigo